sexta-feira, 8 de novembro de 2013





COMO PODERIA IMAGINAR

Como podia imaginar
o que iria encontrar
na Canoa Quebrada
das minhas fantasias
ilusões imaginarias.

Cheguei quietinha
ainda existe aquela Etinha
estou vivinha !
sou eu mesmo...

Nas minhas intuições
senti que algo maior
que vagueia 
nas ruelas da nova Canoa.

Quantas historias
por lá rolaram
as energias estão voando
nada se apagaram.

Não encontrei Tereza
nem Astral
nem muito menos Grete...
onde estaram ?

O que  encontrei
foram tantas lembranças
que alimentou minha alma
e me fez o tempo abraçar .

Canto a Canoa do meus sonhos
das minhas fantasias
das minhas emoções
das minhas  noites de ilusões.

Você me aconchegou
na minha lua de mel...
que momento afável ! 

Não vou mas te abandonar
vou sempre te encontrar
nas tuas ruelas vou te amar
nas noites de luar vou te beijar.



MINHA FILHA PAULINHA

     Quando minha filha Paulinha nasceu, foi simplesmente um presente divino, que recebi no dia 11 de maio de 1986, exatamente num lindo domingo, dia das mães. Paulinha sempre foi um bebe diferente por natureza: bem fofinha,  bochechuda,  cabelos encaracolados bem loirinha. Tenho tantas lembranças, das suas brincadeiras infantis, cada dia ela me surpreendida com sua vaidade espontânea.
      Paulinha tinha uma boneca muito parecida com ela, de repente me deparei com uma novidade, ela  pegou a roupinha da boneca trocou com a dela. Paulinha era tão pequena que coube no carrinho da sua boneca.
     Os  dias se passaram, ela continua cada dia mais vaidosa e  faceira. Sempre teve comportamento de adulto, mesmo tão pequenina.
     Toda manha ela ficava horas e horas assistindo o programa da Xuxa, dançando sem parar. Vivia o mundo das fantasias da rainha dos  baixinhos, se vestia de paquita. Sempre dizia apontando o dedinho para tela da televisão  " Quando eu estiver ai dentro "! 
      Desde criança rabiscava roupinhas de bonecas engavetava  tudo, nem imaginava que um dia iria ser estilista, sempre foi apaixonada por moda.
      Um certo dia ela pegou um vestido meu,  pediu emprestado para usar e ir passear no Iguatemi. Eu avisei, se alguém fizer qualquer comentário não fique zangada, porque este vestido apesar de  ser curtinho é de adulto. Ela se vestiu, se pintou com um batom escuro, botou um cinto na cintura,  um  óculos escuro e saiu toda faceira. Quando ela  chegou lá, desfilando pelo shopping, e por onde passava, todo mundo olhava, varias pessoas pararam, elogiaram e diziam "que coisinha mais linda",   foi o  maior sucesso, eu mesmo me surpreendi com o sucesso que  ela fez. Depois daquele dia Paulinha só queria usar o mesmo vestido para desfilar no Iguatemi, nunca me esqueci desses momentos.
       Nas suas brincadeiras sempre rolava costuras, maquiagem, desfile e concurso de beleza.
      Nas festas juninas do colégio, ela me fazia alugar vestido de noiva, antes de chegar na festa pedia para ser fotografada de noiva do lado do Ian, seu irmão como se ele fosse o seu noivo, ela se achava uma verdadeira noiva. Depois da festa continuava com o vestido, a gente passava na casa do Senhor Geraldo para a avó Irene vê-la vestida de noiva. Sempre foi vaidosa, irreverente, fazia seu estilo próprio, mesmo chocando as pessoas.
      Era conhecida com Little pet. Um certo dia pediu ao pai para leva-la no cabeleireiro, pois queria cortar seus cabelos, que era cumprido e cacheado. Resolveu radicalizar, mandou o cabeleireiro  passar  a maquina  no seu cabelo tipo quase zero, só deixou um topete. Quando ela chegou em casa a Luana sua irmã quase morreu de chorar. Eu achei estranho e ao mesmo tempo lindo o novo visual da Paulinha, só ela mesmo teria coragem de usar aquele estilo próprio de cabelo.
     O Iguatemi foi um lugar marcante na vida dos  meus filhos. Enquanto o Ian e a Luana, minha filha caçula, gastavam suas mesadas com brincadeiras, jogos eletrônico e merendas, Paulinha passava a tarde todinha rodando de  loja em loja com sua amiga Tatiana,  até encontrar alguma roupa e bijouterias que elas gostassem. Quando ela chegava em casa, vinha logo me mostrar as novidades, sempre encontravam  roupas bem especiais e diferentes, a vaidade sempre foi presente na vida da minha Little pet.
     Num dos nossos  passeios pelo Iguatemi, fui abordada pela Glaúcia  Tavares, ela se aproximou de mim e foi logo dizendo que tinha  achado as meninas Paulinha e Luana  muito bonitas, e perguntou se eu podia leva-las  ao seu studio fotográfico, e aceitei o  convite.
      Nas  férias Dona Irene, sua avó paterna,  marcava um dia para reunir todas  as netas com a intenção de ensinar e brincar de costurar, bordar e fazer crochê. Era um dia muito especial e marcante, Paulinha adorava estes encontros. Não deixava por menos, sempre gostava de  alugar Dona Irene para modificar alguma peça de roupa dela, a maquina de costura da sua avó era um brinquedo especial para ela.   
     Paulinha foi escolhida para participar de um propaganda do Beach Park com a Angélica. Participou de concurso de Mini miss Ceará no North Shoping. Fez ballet  na academia da Madyana Romcy, onde participou de alguns festivais no teatro José de Alencar.
     Também, teve  episódio desagradável, quando ela estudava no Colégio Irmã Maria Montenegro, o  coordenação do colégio como era semana de Halloween, o coordenador liberou os alunos para ir ao colégio sem farda, podia ir com qualquer roupa. Paulinha  com sua característica especial,  fez trancinhas nos cabelos , botou uma calça de cintura baixa, com a cueca aparecendo, fez uma maquiagem escura e um batom a caráter.Quando,chegou no colégio toda feliz, a diretora toda arrogante se aproximou dela, foi logo reclamando na frente de todo mundo, e falando que aquela forma de se vestir, aqueles cabelos e batom escuro não era postura de aluno assistir aula, que o colégio era de religiosos. Paulinha ficou muito constrangida, mas, deu longo uma resposta na  ponta da língua, que não ia  mais estudar nesse  colégio, a diretora respondeu dizendo  que ela tinha livre o arbítrio de escolher onde ela queria estudar. Quando Paulinha chegou em casa chorou tanto, passou a noite com febre, foi terrível a postura antipedagógico da tal Diretora. Como uma criança podia saber como se vestir se o coordenador  disse que os alunos estavam liberados para ir a vontade para o colégio. Isso tudo porque Paulinha sempre foi diferente e as pessoas ignorantes, preconceituosa não admitem, quebra de paradigmas.
    Todas as inovações que minha filha resolvia fazer tinha o aval do pai, a sua primeira tatuagem foi feita na companhia dele, cada dia ela aparecia com uma tatuagem nova.
    Com toda esta forma diferente de ser, minha filha  detesta droga e nunca se envolveu com pessoas que usa, no mundo de hoje é uma graça ter uma filha como Paulinha.
    Paulinha é a personagem  principal dessa historia, sempre busca se aprimorar em tudo que faz, se tornou uma mulher moderna, poderosa, de personalidade marcante, irreverente no seu visual, mas na sua essencial  primordial é uma menina carente, sensível que adora colo de mãe.

     Quero deixar aqui neste blog registrado, minha  homenagem a minha filha Paulinha, que este final de ano está se formando em  de design de moda na Faculdade Marista Cearense.

sábado, 2 de novembro de 2013

DIA DA SAUDADE

Hoje dia da saudade
sem dor a minha dor
sozinha sem o meu amor.

Sonhei com você
te senti tão doce
e todo meu...

Na minha mão você pegou
saimos emadorados
meu amor que não passou.

Meu sentimento tão escondido
até de mim se escondeu...
expontâneamente apareceu.

Neste dia de saudade
vou te esperar
até você voltar.